Por que você não deve se comparar com outras pessoas?

Cair na armadilha de comparar sua experiência e seu conhecimento com as dos colegas de turma ou do trabalho é muito fácil, sobretudo quando construímos socialmente padrões do que seria desejável para o presente e o futuro de um profissional, embora não haja uma verdade absoluta. Então, o que deveria guiá-lo durante a construção de uma trajetória profissional? Uma das respostas mais comuns é que se concentrar no seu próprio percurso pode ajudar. Consideremos um pouco mais o assunto.

É comum criar opiniões antecipadas ao encontrar nas redes sociais uma publicação de alguém que estudou com você e agora viaja pelo mundo, ao ouvir sobre a nova posição que um amigo obteve no trabalho, ou quando você descobre o reconhecimento que um ex-colega de turma recebeu graças ao seu projeto pessoal. Temos que dizer que, antes de fazer qualquer comparação, você deve se perguntar o quanto realmente sabe sobre essas pessoas, o que aconteceu para que chegassem a esse ponto e como o caminho delas difere do seu. Todos temos vidas pessoais, acadêmicas e profissionais diferentes e fazer comparações é infrutífero.

É UMA QUESTÃO DE MUDAR O FOCO

Todas as pessoas ao seu redor têm dúvidas, devem tomar decisões difíceis e já cometeram erros. Nos diferenciamos no momento em que enfrentamos as dificuldades, encontramos soluções alternativas e aproveitamos cada uma das oportunidades. Por isso: Mude o foco! Especialmente quando você se compara aos outros, concentrar-se em sua trajetória, observar as oportunidades que você tem e aquelas que você está prestes a criar é uma tarefa super importante. Quando você cai nessa armadilha, está esquecendo o caminho que percorreu para chegar até aqui. É como se, de repente, você apagasse sua história de vida porque descobriu o sucesso dos outros.
Como mudar isso? Ok, não é uma tarefa fácil, mas tenha em mente que cada trajetória é diferente. De acordo com a especialidade que cada pessoa desenvolve, as circunstâncias para cada um são mutáveis e o fato de alguém ter sucesso não impede que você alcance seus objetivos com sucesso. Então a primeira coisa é aprender a analisar hábitos de estudo ou trabalho que funcionaram para você. Além disso, você também pode perguntar aos amigos e colegas quais são as boas práticas deles, para que você também possa usá-las.
Não esqueça da sua trajetória! Olhe para trás por um momento e lembre-se das suas realizações, das ideias com que você contribuiu durante seus estudos ou seu trabalho. Após isso, identifique o que fez bem, como conseguiu alcançar cada objetivo e quais são seus pontos fortes. Suas habilidades mais fortes são as que farão com que você continue a alcançar suas metas.
Segundo Martha Nussbaum e Amartya Sen, Nobel de Economia, todos nós temos capacidades próprias originadas da nossa personalidade, do nosso contexto familiar e cultural, que são potencializadas com outras, como educação, saúde, entre outros fatores que nos cercam e nos fornecem qualidade de vida. Embora o conceito que esses dois especialistas construíram seja muito mais profundo e consiga englobar tanto as pessoas quanto seu ambiente político, social e econômico, vale destacar uma parte que pode alimentar seus propósitos: são as suas habilidades internas e externas que lhe ajudam a impulsionar a sua carreira e seus projetos de vida. O próximo passo é usá-las e fortalecê-las com seus estudos.

COMO IMPULSIONAR MINHA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL?

Você pode planejar parte de suas atividades e estabelecer um foco para que o ajude chegar aos seus objetivos acadêmicos e profissionais, sempre tendo em mente que seu caminho é único e que sempre poderá aprender com os bons hábitos de amigos e colegas, sabendo das diferenças de interesses, gostos e expectativas de cada um.
Então, para continuar impulsionando sua carreira, os desafios são grandes no nível pessoal e, embora seja você a tomar as decisões, queremos compartilhar essas dicas, com base no conhecimento de Emma Seppala, diretora de ciência do Centro de Educação e Pesquisa sobre Compaixão e Altruísmo da Universidade de Stanford: algumas pessoas recomendam pensar no futuro para nos mantermos focados em nossos objetivos, no entanto, na maioria das vezes, pode gerar ansiedade.
Pesquisas de Harvard, das quais Seppala participou, determinaram que não existe momento mais feliz do que o que você vive hoje, até quando você está desenvolvendo tarefas que não são tão prazerosas, como as tarefas domésticas ou pagar dívidas. Quando você está realmente presente no que está fazendo agora, pode ser mais produtivo e pleno.
É verdadeira a afirmação de que se você não se estressar e trabalhar intensamente não alcançará seus objetivos? Bem, talvez por um momento a adrenalina que o estresse produz ajude você a tomar decisões ou a resolver um problema com agilidade. Mas o estresse em demasia pode prejudicar seu organismo e afetar habilidades como a atenção, a memória, a inteligência emocional e pode levar a outros excessos, como tomar café demais, ter horários extremamente pesados e, gradualmente, esgotar o corpo até que adoeça.
Independentemente da quantidade de coisas que você precise fazer e do que o seu contexto acadêmico, profissional e pessoal exija, apenas você tem o poder de escolher ser resiliente e adaptar-se gradualmente a esse ritmo.
Perseverar a todo custo: verdadeiro ou falso? O que essa especialista explica é que devemos ter mais cuidado com as nossas razões para seguir em frente: fazê-lo porque precisamos, porque é nossa responsabilidade, ou porque o que estamos destinados a fazer pode ser esgotante? O que Seppala explica é que relaxar e se permitir momentos longe das telas (TV, computador, telefone celular) e, talvez, conversar com outras pessoas, ou ler um livro de uma área diferente da sua, pode ativar mais a criatividade e levar a ideias melhores.
Ser diferente será a sua motivação e não uma razão para sentir que você não se desenvolveu o suficiente. Coloque esses passos em prática e prove que ser único é a chave para continuar sua trajetória e alcançar suas metas.
• Faça aqui o nosso teste de orientação profissional