UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > UVA e Academia Pérolas Negras firmam parceria

UVA e Academia Pérolas Negras firmam parceria

16 de novembro de 2017

Estudantes da Veiga estão realizando dois projetos com os refugiados haitianos

Alunos da Universidade Veiga de Almeida (UVA) estão desenvolvendo duas oficinas para os refugiados haitianos atendidos pela Academia Pérolas Negras, do Viva Rio. A parceria trabalha conteúdos que serão importantes para o desenvolvimento de competências quando os meninos atendidos ingressem no mercado de trabalho. No primeiro projeto os estudantes da UVA ensinam a usar o Excel enquanto na segunda oficina são trabalhadas as edições de imagem e de vídeo. Todos os envolvidos receberão um certificado de extensão comprovando a participação nos projetos.

Maria Frastrone, diretora de Extensão, comenta a importância dessa parceria para os refugiados. “O objetivo é que, por meio da educação, eles encontrem a possibilidade de desenvolver habilidades para lidar com a vida, independente de serem chamados para jogar em clubes grandes de futebol ou não”. Segundo Maria, foi aberta uma seleção dentre todos os cursos para os alunos que desejassem participar da oficina sobre Excel. Já os envolvidos na oficina das edições são estudantes das Engenharias.

“O objetivo é que os alunos saiam do espaço comum, que é o muro da universidade, e usem o território como agente de tempo, espaço e aprendizagem. Todo conhecimento construído dentro da instituição ganha significado quando propagado à outra pessoa”.

A Academia Pérolas Negras, localizada na cidade de Paty do Alferes, é um clube de futebol criado pelo Viva Rio para  potencializar possíveis jogadores de futebol. O projeto surgiu em 2004,  após a implantação da empresa social no país caribenho e, há alguns anos, já tem sede no Brasil. No período de um ano,  cerca de 40 haitianos têm acesso à educação e saúde, além de treinamentos esportivos. A equipe está prestes a subir para a Série B do Campeonato Carioca.


Texto produzido por Gabriel Brum, estagiário da Comunicação Institucional, e Ana Carolina Castelo Branco, do Laboratório de Comunicação Corporativa