UVA - Universidade Veiga de Almeida

Cursos de Graduação, Pós-Graduação, Mestrado e Extensão

Universidade Veiga de Almeida

Ligue para a UVA (21) 2574 8888


Acesso ao Sistema

Aluno
Professor
Esqueci a senha

Início > Notícias > Jovens e sobrecarregados

Jovens e sobrecarregados

08 de dezembro de 2016

Pesquisa de alunos da UVA identifica que a crise está sendo sentida pelos jovens das gerações Y e Z

Pesquisa feita por alunos do curso de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos da Universidade Veiga de Almeida (UVA) com trabalhadores de ensino superior completo ou cursando que exercem funções administrativo-financeiras em empresas constatou que o impacto da crise não está sendo sentido somente no bolso. Dentre os entrevistados, quando perguntados sobre que dimensões da vida sentem comprometidas negativamente neste momento, sendo possível assinalar mais de uma, 63% declararam sentir impactos físicos, 51% psicológicos, 47% profissionais, 34% intelectuais e sociais. Somente 19% não sentem nenhum impacto.

A pesquisa Análise da saúde e qualidade de vida no trabalho das gerações Y e Z foi realizada pelos alunos Adriane Ferreira e Pedro dos Santos, com colaboração de Nicolas Santana e orientação da professora Bárbara Carissimi para o Programa de Iniciação Científica da UVA (PICUVA). Foram realizadas entrevistas de 1 a 10 de junho de 2016 com 160 pessoas entre 23 e 28 anos, 78,8% do Rio de Janeiro e em sua maioria mulheres. Os participantes tinham todos entre 23 e 28 anos e de um a três anos de trabalho em empresas, nas áreas administrativo-financeiras, e ganhavam até três salários mínimos.

O trabalho concluiu que os desgastes físico e psicológico, decorrentes da carga de trabalho aumentada e cobrança profissional excessiva, junto com a dificuldade em manter atividades de lazer, práticas esportivas e os relacionamentos fora e dentro da empresa, são as maiores razões para o impacto negativo sentido por esses trabalhadores. “Reorganização de tarefas, definição de metas desafiadoras, mas alcançáveis, desenvolvimento de lideranças para saberem gerir situações de crise, ginástica laboral, apoio psicológico e atividades de confraternização são investimentos que precisam ser vistos pelas empresas como necessários para minimizar os impactos externos”, explica a coordenadora do curso de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos da Veiga, Benilda Bezerra.

Qualidade de vida no trabalho significa a preocupação com a saúde física e mental, e com o bem-estar dos trabalhadores e é um dos grandes atrativos para atrair e reter talentos das gerações Y e Z. Num momento de crise econômica, em que cortes de pessoal e orçamentos mais enxutos exigem um esforço de adaptação maior do que o habitual, manter os investimentos ou mesmo as políticas que garantam um ambiente saudável para os colaboradores é um desafio. E a perda do que pode ser entendido como benefício, um risco para a empresa. “Em momentos de crise, o RH precisa minimizar o sofrimento para os trabalhadores, sejam os que precisam ser desligados, sejam os que ficam na empresa e precisam estar seguros e motivados. Nas gerações mais jovens, esse pode ser o diferencial entre reter os melhores profissionais ou perdê-los para o mercado”, destaca Benilda.


Formação profissional em discussão

Em momentos como o atual, fica evidente a necessidade de rever a formação do profissional que atuará nos RHs e áreas de gestão de pessoas. “Saber lidar com pessoas é fundamental para criar um ambiente de trabalho com qualidade. Mesmo entre os de gerações anteriores à Y e Z, qualidade de vida têm sido avaliada como um item decisivo para a carreira. Por isso, a formação de profissionais para atuar nos RHs deve ir além dos processos de recursos humanos e precisa capacitar os alunos para lidar com gente”, explica a professora.

Na UVA, essa mudança já aconteceu, motivada pela diretriz da universidade, de preparar o aluno para as demandas do mercado de trabalho. Para se formar, o aluno da UVA precisa executar projetos em quatro dimensões de recursos humanos ao longo do curso – recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, orientação de carreira e qualidade de vida no trabalho –, todos dentro de empresas. “A formação conjugada à prática profissional facilita o acesso ao mercado de trabalho, pois o aluno vive o dia a dia antes mesmo de obter o diploma”, finaliza Benilda.

A Veiga agora passa a oferecer o curso de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos no campus Barra Marapendi.