Você está aqui

Notícia

< Voltar

Notícia < Voltar

Campus: 
Campus Tijuca
Campus Barra da Tijuca
Campus Cabo Frio
Campus Botafogo

Conheça o projeto Alimenta Rio

Universidade Veiga de Almeida   |    Campus Tijuca Campus Barra da Tijuca Campus Cabo Frio Campus Botafogo

Iniciativa piloto foi desenvolvida a partir de técnicas de Design Thinking e já recebeu doações de pessoas da Inglaterra, Portugal e Moçambique

 

“Quem tem fome, tem pressa”, já dizia o sociólogo Herbert José de Souza, o Betinho. Seguindo o lema do criador de uma das maiores ONGs de combate à fome no Brasil, alunos dos cursos de MBA em Gestão Empresarial e Mercado de Capitais da Universidade Veiga de Almeida (UVA) desenvolveram o Alimenta Rio, projeto piloto para ajudar pessoas em situação de vulnerabilidade social e insegurança alimentar na cidade do Rio de Janeiro.

 

Em um mês, os estudantes tiraram a iniciativa do papel – ou melhor, da tela do computador – por meio da abordagem Design Thinking, que se propõe a resolver problemas complexos de forma colaborativa.

 

Antes de definir o escopo do projeto, os alunos partiram de um problema inicial: como tornar o Rio uma cidade inteligente? Foi quando esbarraram na situação de vulnerabilidade alimentar, que impacta diretamente outros pilares cruciais, como educação, geração de emprego e segurança pública.

 

“Depois de passar pelas etapas de netnografia, entrevistas e ideação, descobrimos o real problema a ser combatido antes de tudo – a fome – e entendemos que precisávamos criar um movimento”, explica Anderson Domingos, especialista em Design Thinking, professor do Núcleo de Negócios da UVA e coordenador do projeto. No estado do Rio, mais de 745 mil pessoas passaram a viver na pobreza durante a pandemia, ou seja, com menos de R$ 246 por mês. O número total chega a 1,2 milhão de habitantes (10,5% da população).

 

Na primeira fase de doações, o Alimenta Rio arrecadou cerca de R$ 1.500, além de alimentos e roupas, vindos não só do Rio, mas de outros estados e até países, como Inglaterra, Portugal e Moçambique. A primeira leva de entregas foi feita no dia 10 de julho, nas comunidades da Maré e do Chapadão, em parceria com as ONGs Viva Rio e Força do Povo.

 

As doações ainda podem ser feitas via transferência bancária ou PIX. Já as vestimentas e os alimentos podem ser entregues em pontos físicos espalhados em diversos bairros da cidade. Para acompanhar os próximos passos do Alimenta Rio e saber como contribuir, acesse a página do movimento no Instagram (@alimenta.rio). Todas as etapas do projeto são auditáveis e transparentes.

29/jul/2021

Tema:
Pós-graduação,

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com os nossos TERMOS DE USO E POLITICAS DE DADOS. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.